Gestão de compliance: da importância a aplicação nas empresas.

23

Oct

O que mais temos vistos no Brasil e no mundo é o combate constante contra corrupção.  Escândalos afetam seriamente a reputação e a imagem de diversas companhias pelo mundo. Independente do segmento econômico, o termo compliance está cada vez mais presente nas estratégias das empresas. Entenda melhor do que se trata e aplique na sua empresa sem sofrimento.

O que é compliance? Em português conformidade, compliance significa que uma companhia está plenamente de acordo com as diretrizes e políticas estabelecidas para a empresa. O Compliance nada mais é do que um processo ou atividade que visa garantir que todas estas normas e regulamentos sejam seguidos.

O Compliance pode ser aplicado em variadas esferas, entre as mais comuns: trabalhista, financeira, fiscal, contábil, ambiental, jurídica entre outras. Esta atividade deve ser realizada por meio de um departamento interno exclusivo para este assunto ou investindo em terceirização. Mas antes de entrar em mais detalhes sobre os benefícios de cada um, entenda melhor a função do Compliance nas companhias.

A importância do Compliance : Como já mostramos anteriormente, o Compliance pode ser aplicado em diversas esferas de uma empresa. E ainda que sejam áreas diferentes, no final, isso resulta em vários objetivos sendo atingidos. De uma forma direta ou indireta, o Compliance é importante para todo negócio.

  É possível atingir alguns objetivos essenciais de uma empresa que são:

*Gerenciamento de controles internos;

*Análise e prevenção de fraudes;

*Examine completo dos riscos operacionais de uma atividade;

*Desenvolvimento de normas técnicas compatíveis com a empresa;

*Estabelecimento de programas contínuos de melhoria;

*Realização de autorias com periodicidade;

*Desenvolvimento de manuais de conduta;

*Monitoramento e avaliação de medidas voltadas para segurança da informação;

*Disseminação da cultura organizacional entre os funcionários;

*Desenvolvimento, de forma assertiva e atualizada, de políticas relacionadas à área de gestão humana;

*Interpretação de leis e adaptá-las à corporação;

*Fiscalização contábil conforme orientações internacionais (International Financial Reporting Standards – IFRS).

Tudo isso indica a importância do Compliance na empresa. É por meio  desta atividade, que podemos mapear e prevenir possíveis riscos de negócios. Trata-se de um conjunto de riscos que podem afetar seriamente a companhia. E se você acha que isso só tem relação direta com o lucro se engana. Presente em qualquer empresa, os riscos de negócios podem vir em forma de sanções, multas, problemas judiciais e muitos outros. Isso afeta não só a imagem como a reputação da empresa, causando falência em casos extremos.

E os prejuízos podem ir além da empresa, afetando profissionais de variados escalões em uma companhia. Por isso é tão importante ter atenção ao Compliance e saber utilizá-lo a favor da sua empresa. Uma pequena negligência pode gerar um problema enorme e isso deve ser evitado ao máximo.

Além disso, pode ser aplicada em empresas de variados tamanhos e segmentos. Ou seja, desde o começo, podemos algumas medidas na empresa para que possa se adaptar com o crescimento da mesma. Não se trata de criar um mega documento, mas sim de desenvolver práticas que façam sentido para a sua empresa e que podem ser feitas no dia a dia.

Compliance: aplicando na sua empresa

Antes de desenvolver um Programa de Compliance na sua empresa, saiba que não existe uma única fórmula de bolo. Cada estrutura de Compliance tem relação direta com o tamanho e tipo de negócio. Ou seja, quanto mais profundo e complexo for o programa, maior e específica é a companhia.

No geral, entidades governamentais disponibilizam recomendações para empresas de todo o mundo. Estas entidades, em sua maioria, são responsáveis pelas fiscalizações e investigações.

No Brasil, o primeiro passo é compreender alguns documentos ou normativos importantes e aplicáveis para todos de alguma maneira. Para isso, é essencial observar a legislação de acordo com seu Estado de atuação. E, de uma forma geral, as principais normas são:

*Lei Anticorrupção – Lei 12.846 de 1º de agosto de 2013;

*Materiais do site da Controladoria Geral da União (CGU), que publica  constantemente estudos e orientações sobre Ética e Integridade;

*Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) – Lei nº 13.709/2018;

*Todo normativo relevante para o setor de sua empresa (ex.: normas referentes a saúde pública, meio ambiente, finanças, etc.).

Essa atualização constante ressalta um ponto essencial do Programa de Compliance: trata-se de um documento que evolui com sua empresa. Logo, em um primeiro momento, algumas coisas podem atender à empresa e outras não são mais possíveis com o tempo. Seguido isso, entre os passos principais temas:

*Entenda e avalie os riscos da empresa;

*Defina procedimentos e políticas ;

*Treine e tenha uma comunicação assertiva com os colaboradores;

*Não tema denúncias, invista em prevenção;

*Tenha atenção além da empresa (clientes, fornecedores e etc.).

Além disso, muitas empresas ficam na dúvida se devem internalizar ou terceirizar o Compliance. E a resposta depende de muitos fatores. O principal deles é o orçamento destinado para esse programa. Isso ajuda a ditar quais caminhos são possíveis e quais não.

Outro ponto é a estratégia da empresa. Se há planos maiores que envolvem outros países ou negociações grandes, vale a pena pensar em terceirizar.  Nesse caso específico, uma empresa especializada nisso saberá orientar da melhor forma como deve ser o Compliance da companhia.

O tipo de negócio também afeta na escolha de como deve ser o Compliance. Quanto mais específico, mais especializado deve ser o programa. Então pode ser interessante pensar em terceirizar o serviço. Mas em quais casos podemos internalizar o programa de Compliance?

Se a sua empresa possui solidez para investir nesta área, vale a pena avaliar a possibilidade de internalizar. Como se trata de um investimento, no começo pode desprender mais custos e tempo para ser implementado. Mas, com o tempo, isso é revertido em ações mais assertivas e sem prejuízos para a empresa.

Investir na gestão de Compliance não é um bicho de sete cabeças. Mas envolve muita disciplina e a aplicação por diversos setores. Os colaboradores são outra parte fundamental para o sucesso da gestão. Cada um tem uma função para manter as melhores práticas dentro de uma empresa.

E se você quer saber mais sobre como aplicar isso na sua companhia ou se está indo no caminho certo, acompanhe o nosso site. Sempre desenvolvemos conteúdos atualizados para você aplicar na sua empresa.


SEM COMENTÁRIOS

Sem Comentários


Deixe um Comentário